Sempre teremos discordâncias


Sempre teremos discordâncias.

Bom dia Galera, temos que redirecionar as nossas energias, chega de gastar energias com essa guerrinha infértil e secundária, sobre quem comprou ou montou dossiês hackeando, aqui ou acolá. Temos tarefa muito mais séria a realizar ...É Urgente que cada trabalhador compreenda o perigo que estamos correndo agora diante da profunda reforma da Previdência que este governo, que interdita o debate pretende implementar essa Reforma da Previdência que definitivamente excluirá da Constituição a Seguridade Social e reduzirá a um mínimo a participação dos empregadores em contribuição previdenciária e também o governo, no caso dos servidores públicos, e trazendo para o nosso futuro, nos próximos 30 a 40 anos, não apenas mudanças paramétricas na idade, ou um BPC, ou Licenças Médicas remuneradas, mas para as futuras gerações imporá um regime solitário de capitalização, o que vai jogar as gerações futuras e até quem já está aposentado na miséria, Galera isso além de desmontar o regime atual, tira a possibilidade de mudarmos esse regime tão cedo, pois a desmobilização e o enfraquecimento das representações trabalhistas também está sendo engendrado. E, depois implementada, a reversão de uma PEC aprovada, vai necessitar de 3/5 dos votos em dois turnos. O que torna extremamente difícil obter essa votação para mudar qualquer regime: Como podemos ajudar nesse enfrentamento?

Precisamos :

  1. Identificar todos deputados federais e Senadores que representam o RJ em Brasília e enviar e- mails propondo alterações pontuais naquilo que eles já aprovaram na CCJ, a principal estratégia não será atacá-los , nem afrontá-los mas redirecionar o embate para o futuro, sem garantias e sem esperanças que advirá não só afetará os jovens que adentram ao mercado de trabalho , mas igualmente para os que se aposentam agora no atual regime que terão até a possibilidade de correção dos seus proventos de aposentadoria congelados ou reduzidos por lei complementar proposta pelo atual executivo ... Isso vai gerar um passivo social impagável, pois a quem recorrerão , os mais vulneráveis sem assistência? Lembremos também que este Projeto de Reforma é para ser aplicado em 30 a 40 anos e não se trata de mudanças pontuais aqui e ali, mas um desmonte em todo o sistema atual. É lógico que atingirá outras áreas em breve.

  2. Trata- se de um plano autoritário e ao contrário do que já foi encaminhado e resolvido em outros países, esse não pretende debater formas alternativas de manter a sustentabilidade do financiamento do sistema, retirando ou reduzindo desonerações das empresas ou sobre os lucros líquidos de Pessoas Físicas, Tributação sobre grandes heranças etc., que poderiam associadas a outras medidas saneadoras, inseridas numa Reforma Tributária ampla , fazer frente ao financiamento e sustentabilidade do Sistema Previdenciário, num cenário de grandes transformações no mercado de trabalho, não apenas mexer superficialmente na cosmética da parametrização de algumas regras, colocando o ônus pesado sobre os trabalhadores . Esse debate vem sendo propositada e visivelmente interditado pelo grande mídia sobrando pouco ou nenhum espaço para discussão.

  3. Precisamos colaborar na mobilização do debate nas Redes Sociais, Por outro lado, e não menos importante, não podemos dizer que somos completamente contra a Reforma da Previdência, isso é suicídio, temos que trazer à luz o reconhecimento das mudanças de composição etária da população, automação e trabalho remoto estão avançando, por outro lado algumas atividades como Saúde, Construção Civil e Prestação de serviços, como os cuidadores de crianças e pessoas incapacitadas e de 3 idade que já demandam muita mão de obra e demandarão cada vez mais profissionais especializados. Como ficarão essas pessoas na sua inatividade?

  4. 4. Vamos passar adiante essas nossas inquietações e provocar o debate; exija que seu deputado se posicione, atue nos órgãos representativos da sua profissão; Sindicatos, associações, Igrejas Católicas, Protestantes, Evangélicas, Centros Espíritas, Comunidades e Associações de Moradores, todos os locais onde há presença e possibilidade de influenciar parlamentares.

Se possível mobilizem- se, para convidá-los para que venham explicar o seu voto na Reforma, precisamos de influenciar e mudar mais uns 64 votos no Congresso entre aqueles que ainda não firmaram posição. Nem tudo está perdido se começarmos hoje mesmo. Saia da janela. Se você faz parte de alguma instituição que possa convidar parlamentares para uma discussão comece a organizar com seus representantes uma apresentação e debates ...

Façamos o Debate que eles não querem fazer, para a salvação da nação, dos nossos filhos e da preservação da dignidade dos trabalhadores e do bem-estar social que nunca esteve tão ameaçado.

Antonio Manoel R Silva

Diretora Colegiada

ASSERVISA